a produtora

eef_apres_marca_ml-03Apuro estético e vontade de interlocução estão no DNA da Escrevendo & Filmes, assim como no coração e mentes de seus fundadores, a roteirista Juliana Reis e o fotógrafo Ricardo Azoury.

Imagem e narratividade são, portanto, as principais ferramentas de atuação para criar um repertório de obras relevantes visando contribuir com o desenvolvimento humano e humanista da sociedade brasileira.

JuAZuOK

Fundada em 2010, a E&F estreou produzindo o longametragem DISPAROS, B.O. premiado por sua  fotografia, montagem e ator coadjuvante em sua estreia mundial no Festival do Rio.

A série documental ARQUEOLOGIAS – em busca dos primeiros brasileiros, em 6 episódios de 45min., estreou em maio 2017 na TV paga.

Seminário “O Direito Autoral na Era Digital”

A ABRA (Associação Brasileira de Roteiristas e Autores) participou do seminário organizado pelo SICAV (Sindicado da Indústria Audiovisual), que pretende ao longo do ano debater e convergir com diversos agentes do setor para uma legislação definitiva sobre a Gestão Coletiva dos Direitos de Autor.

Captura de Tela 2019-02-21 às 18.36.01

Segue abaixo a minha fala, representando a ABRA.

“Gostaria de agradecer o convite e a ocasião de entrar no debate desse tema que é de grande interesse e crucial importância para os roteiristas. Muitos de nós, da ABRA, estamos na origem da criação da GEDAR, que, inclusive acaba de ser aceita como membro da CISAC – Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores, que congrega todas as entidades de gestão coletiva de direitos de autor ao redor do mundo.

Fazendo parte de uma mesa formada em sua maioria por advogados que, muito melhor do que eu, vão poder falar dos Direitos de Autor e Propriedade Intelectual sob um prisma jurídico, e sendo eu a primeira a falar, me contentarei a fazer o que faço de melhor, contar uma história e aproveitarei para oferecer a premissa para toda discussão posterior sobre o tema dos Direitos de Autor.

Já ouvi de muitas pessoas importantes do mundo do cinema e do audiovisual que o ROTEIRO é um calhamaço de folhas escritas que, uma vez o filme realizado, não tem mais interesse, a não ser o de fetiche ou peça de colecionador; que o roteiro não tem validade… Ou seja, que o roteiro não tem valor intrínseco e não é mais do que ponte intermediária entre ideia – o grão da genialidade – e filme, obra em si.

Pois eu gostaria de propor aqui uma outra percepção do roteiro, seja qual for o ambiente, o suporte ou o formato no qual a história que ele porta se apresente. E vou me servir do mais hitchcockiano dos autores dramáticos pra ilustrar meus propósitos, o que poderia ser considerado, no mínimo, como um golpe baixo.

Pois bem, por uma sucessão incrivelmente bem encadeada de cenas, com Capuletos e Montecchios, Teobaldo e Mercurio, París, Frei Lourenzo e Baltasar, uma aposta e um duelo, dois casamentos – um indesejado e o outro secreto -, dois frascos de veneno – um falso e um verdadeiro –  e uma mensagem extraviada, a gente chega próximo do clímax com Romeu diante do corpo inerte e aparentemente morto de Julieta.

No entanto, nós, espectadores, sabemos que Julieta está viva. E mais: sabemos também que Romeu desconhece o plano e a falsa morte de sua amada. E é com o coração na mão que somos capazes de adivinhar o que se passa em sua cabeça. Assistimos ao seu desespero e antecipamos que esse desespero culminará no seu suicídio.

Esse é o ponto que eu gostaria de realçar aqui: essa taquicardia, essa ansiedade e angústia, essa lágrima, enfim, esse saber desencantado e sufocante experimentado por cada espectador que assistiu essa cena de Romeu e Julieta nos últimos 500 anos…

Essa emoção não está escrita em nenhuma página desse calhamaço destinado ao lixo ou ao fetichista colecionador. Ela não foi nem filmada, ou seja, ela não está nem no papel e nem na tela, mas ela foi concebida para se desprender da tela e entrar no corpo e na mente do espectador pelos olhos e pelos ouvidos e se transformar numa compreensão visceral, fruto e obra da engenharia alquimista do autor que somente se opera no espectador.

E é nesse lugar que reside o roteiro, uma vez o filme pronto: um lugar imaterial, que se situa na percepção e na vivência da história por cada novo espectador. Um lugar que se reinaugura a cada projeção e a cada nova assistência ao filme.

Sim, o que avanço aqui é que, contrariamente a ideia do roteiro somente como objeto em porvir, associado exclusivamente ao “nascimento da obra”, ele se reitera a cada nova percepção gerada pelo agenciamento de fatos e informações articuladas pelo autor roteirista. A cada par de olhos e ouvidos e sentidos e entendimento, o roteiro novamente renasce, desabrocha e se exerce plenamente.

E, para lá da remuneração pelo trabalho de desenvolvimento dahistória e escrita do roteiro, que esse patrimônio vivo e incontestável de um autor dramático gere seus dividendos a cada exibição de uma obra é nada menos que legítima e merecida.

Posto isso, podemos avançar nessa discussão tão urgente e relevante para todos nós. Obrigada.”

Estreia no Canal CURTA! dia 12 de maio, sexta feira, as 22hs.


ARQUEOs_hijeOK

 

Estreia sexta-feira 12 de maio, às 22h30, no CANAL CURTA!

Considerações acerca das ofertas de trabalho para roteiristas no site TELA BRASILEIRA

em forma de carta aberta, por Juliana Reis

para VIDA DE ROTEIRISTA (site da ABRA, em janeiro 2017)

Aos responsáveis pelo conteúdo publicado no site TELA BRASILEIRA;

Prezados,

Venho me manifestar por meio da presente carta em nome de todos os roteiristas que atuam no mercado audiovisual brasileiro.

A razão deste contato é, em primeiro lugar, parabenizar a iniciativa do site TELA BRASILEIRA de propor oportunidades de trabalho para nós, profissionais do audiovisual.

No entanto, não posso me omitir diante de sofismas em forma de ofertas mirabolantes, feitas por empregadores “confidenciais”, às quais alguns de nossos colegas – sobretudo os mais jovens e inexperientes – sucumbem por inadvertência.

Essa prática perniciosa é recorrente no mercado e, por alguns aceitarem, acabou gerando uma relação viciosa de trabalho, contra a qual hoje venho protestar.

TelaBrasileira1

“Vamos no risco? Se rolar, tamo juntos”.

Todo projeto audiovisual parte de um texto, seja argumento, sinopse ou roteiro. Sem ele não há projeto, não há orçamento, não há equipe a ser contratada e não existe produto final. O fato é que sempre o roteiro, por sua natureza de pilar fundador, é colocado como o investimento de risco.

E é nesse intuito que repudio anúncios, como os  divulgados neste link , postados por produtores que se escondem atrás do anonimato, que não trata de uma proposta de trabalho e sim de um desrespeito com toda uma categoria profissional. Primeiro porque o “risco” proposto não é de ninguém, além do roteirista. Segundo porque, em 99% dos casos, a própria precariedade nas condições de trabalho o impede de rolar; e, nos raríssimos casos em que o trabalho rola, é o tamo juntos que já não rola tanto assim….

Cabe ainda notar que praticamente todos os jobs propostos sem remuneração no site (e com exceção de posições de vendedor, de tradição comissionadas) tratam de ofertas para ROTEIRISTAS… Fica então a pergunta: por que não passa na cabeça de um produtor propor a um montador ou um cinegrafista de trabalhar no risco?

Se adiciono o fato de que o trabalho do roteirista, quando bem-sucedido, é muitas vezes eclipsado quando de sua divulgação que apenas valoriza a figura do diretor, fica fácil perceber o longo caminho que ainda temos que trilhar na valorização e reconhecimento do nosso ofício.

TelaBrasileira3

 Como diria o economista, “aquilo que tem não valor, não tem valor”.

É, portanto, de suma importância que comecemos a atribuir um valor real ao que fazemos. O autor roteirista precisa urgentemente ser mais valorizado no Brasil.

Projetos feitos nestes termos raramente chegam a ser produzidos e, quando chegam, geram produtos de péssima qualidade, que depois irão depor contra os próprios roteiristas e gerar a falácia corrente no mercado de que não existem bons roteiristas no Brasil; não existem bons roteiristas no Brasil que topem trabalhar de graça, essa deveria ser a frase correta.

Deveria ser do interesse comum, inclusive o de um site como o TB, cuidar para que as propostas nele veiculadas não atentem à dignidade dos profissionais que chegam em busca de uma chance de desenvolvimento, seduzindo os mais ingênuos e pouco experientes com iscas hollywoodianas. Nesse sentido, me permito sugerir que o TB estabeleça diretrizes de controle, dentro de padrões de deontologia, não compactuando – ao contrário, se posicionando contra – a postura predatória de algumas empresas de produção.

Isso ajudaria a combater tal prática e contribuiria para estimular uma nova cultura de colaboração criativa, baseada no respeito e no reconhecimento do valor do aporte do autor-roteirista dentro da cadeia de produção audiovisual brasileira, cuja missão de seu repertório é de fundamental importância para o desenvolvimento de nossa sociedade.

Agradeço a atenção e lhes desejo um ótimo 2017.

RESIDENTAS (aka DESTINADAS) en el camino… de volta do Ventana Sur

Coprodução BRASIL-ARGENTINA-PARAGUAY fechada !

e filmagens anunciadas para agosto 2017.

Boralá!

WhatsApp Image 2016-12-02 at 20.55.19

Leo-eu-HGrinberg Leo-Seb

arqueologias: quem éramos?

DESTINADAS on the road

A road trip vai começar. E com ela o road movie…

Captura de Tela 2016-07-13 às 23.03.06

Introduzindo Elisa


Destinadas – uma ficção histórica de gênero. E de estrada

Quem éramos nós?

ARQUEOLOGIAS, em busca dos primeiros brasileiros

©2012 - Escrevendo & Filmes - Todos os direitos reservados / All rights reserved - Login Design: SUBITO CREATIVE